Migrou de Cuba para os Estados Unidos, aprendeu inglês e agora trabalha na NASA. Em 5 anos mudou a sua vida

Viver em outro país sempre vai ser complicado, devido à mudança de cultura e, inclusive de idioma. Mas, há quem não tenha mais opções para seguir sobrevivendo, sendo assim, por mais difícil que possa ser, tomam a decisão de abandonar os seus países de origem e começam uma nova vida em outros horizontes.

Pixabay

Antonio Macías, de 25 anos, pensou que essa era uma boa opção para assim iniciar uma nova vida junto à sua mãe, Milda Cañizares. Foi assim que ambos começaram a sua odisseia desde Cuba até a Venezuela e depois para o Equador, segundo informou Univisión. No entanto, depois de suas experiências em 2015 decidiram ir para outro destino mais ao norte: Estados Unidos.

Por isso não seria fácil. Não só é complicado viajar tantos quilômetros desde Equador ao país norte-americano, mas também deviam conseguir as permissões e poder cruzar a fronteira com o México, o que sempre foi um ponto crítico para os imigrantes que entram por aí.

Univision

Segundo Milda, disse ao seu filho “se morrermos, morreremos juntos e se nos salvarmos, nos salvaremos juntos. Juntos sempre, eu não vou ficar aqui e você, por outro lugar, juntos”.

Após conseguir entrar nos Estados Unidos através de Houston, e com os papéis pertinentes, ficaram de se juntar com uma família que os ajudaria, mas esta pessoa os abandonou diante de uma organização chamada Caridades Católicas.

Desta forma tiveram que enfrentar a sua realidade e vagar pela cidade sem saber o idioma, sem nenhum peso e sem conhecer ninguém. “Foi muito doloroso porque tínhamos 150 dólares e nada mais, comíamos um hambúrguer por dia. Eu comia a metade da minha e dizia que estava muito cheio para que ela comesse uma e meia”, comentou Antonio.

Antonio Macías

E o destino tinha preparado outra coisa para eles, já que conheceram uma pessoa que lhes deu um teto e Antonio começou a trabalhar. Depois de um tempo realizou um sonho: foi estudar na universidade a carreira de ciência aeroespacial, algo que desejava desde pequeno.

Antonio levou os seus estudos adiante e aprendeu mais do idioma até que chegou a grande notícia de que a NASA lhe ofereceu trabalho, algo que há 5 anos nem sequer tinha passado por sua mente.

Univision

Graças a suas investigações e artigos que publicou em revistas científicas de renome nos Estados Unidos, o seu nome começou a chamar a atenção entre os especialistas desse país. “Agora estou estudando a evolução das superfícies em planetas e luas do universo que não têm atmosfera, que não têm ar, assim como a Terra”, comentou Antonio.

Apesar do que tiveram que viver, Antonio e Milda se mantêm fortes e unidos. “Nós, os adultos, somos mais fortes, mas eles não; ele era adolescente, mas definitivamente sempre foi forte e me disse ‘não’, nós seguimos em frente”, finalizou a mulher.