Concessionária de carros contrata cachorrinho que vagava pela região. Agora ele é o novo vigilante do lugar

Me atrevo a dizer que existem três tipos de pessoas. Ou melhor, na realidade existem muitos, mas para este exemplo usaremos três. Primeiro, há os que veem uma situação infeliz pela qual alguém está passando e não faz nada, decide ignorá-la. Além disso, há quem perceba essa situação desvantajosa e, apesar de sentir pena e mostrar solidariedade, nada faz. O terceiro é o caso mais bonito e o da história que vamos apresentar, que é quando as pessoas decidem agir e ajudar quem precisa.

Foi isso que decidiram fazer os trabalhadores dessa concessionária Hyundai, localizada no Brasil, decidiram fazer. Acontece que os funcionários (de acordo com uma publicação no Facebook) concordaram em adotar, dar comida, abrigar e «dar um emprego» a um filhote de cachorro abandonado que costumava andar pela região pedindo comida.

Facebook: VOM Noticias

Foi através das redes sociais que o caso se tornou popular ao serem publicadas imagens do cão recebendo o merecido crachá da instituição da qual agora faz parte:

Facebook: VOM Noticias

“Este cachorrinho passeava diariamente nas redondezas dessa concessionária HYUNDAI, até que um dia os trabalhadores decidiram nomeá-lo parte da equipe. Agora ele usa um crachá da empresa, com foto e tudo. Dorme e come naquele lugar. Que gesto bonito”.

informou VOM Notícias no Facebook Facebook

O post rapidamente superou as 45.000 reações, com mais de 83.000 compartilhamentos, além de centenas de cumprimentos aos trabalhadores da companhia automotiva. Um exemplo extraordinário de que fazendo a nossa parte, combinando com alguns companheiros, podemos mudar a vida de quem seja. Não importa se se trata de um cachorro, de um gato ou até de uma pessoa. A bondade é um valor que não se deve perder e ainda menos nessa época de pandemia, quando milhares de pessoas necessitam que lhe estendam as mãos.

Facebook: VOM Noticias

Como diz uma famosa frase professada por Madre Teresa de Calcutá: “Quem não vive para servir, não serve para viver”.